Você e a sua barraca: conheça 3 lugares para acampar e não gastar (quase) nada

29 de julho de 2020

Nada melhor que aproveitar um final de semana ou feriado prolongado para conhecer um lugar calmo, com praias e cachoeiras, repleto de trilhas e com muita natureza, não é mesmo? Se você concorda com essa afirmação, saiba que para experimentar tudo isso não é preciso sair de São Paulo e muito menos ir para muito longe da capital. Duvida? Então confira abaixo 3 lugares bem próximos para acampar sem gastar rios de dinheiro.

Parque Vale das Pedras – Socorro

parque-vale-das-pedras-slide2
O Parque Vale das Pedras conta com diversas cachoeiras, mas apenas 5 delas são preparas para visitação. Foto: Site oficial

Em Socorro, aos pés da Serra da Mantiqueira, dá pra curtir o com a natureza a apenas 140 km da capital paulista. Essa escapada é uma ótima alternativa, tanto para quem procura calmaria, quanto para aqueles que adoram esportes radicais, já que a cidade tem inúmeras trilhas e cachoeiras. O Parque Vale das Pedras, por exemplo, conta com cachoeiras preparadas para visitação e trilhas ecológicas em matas preservadas.

Onde ficar

Para aproveitar bem as belezas da região, vale se hospedar no próprio camping do parque, o BM Adventure, que conta com luz e tomada de energia individual por barraca, um quiosque com pia e mesa de uso comunitário, além de vestiários com chuveiros quentes. A diária custa R$40. Dica: se você sonha em acampar, mas não tem barraca, eles alugam barraca, colchonetes e todos os materiais necessários para você!

Onde comer

Todo campista sabe que a melhor forma de economizar é levar a própria comida, no entanto, vale a pena conhecer os restaurantes da região. Uma boa opção é o restaurante do parque, que leva o nome de Rancho de Pedra.  O café da manhã custa R$10 e o almoço não saí por mais de R$20 por pessoa.

O que fazer

O parque oferece atividades para todos os gostos e bolsos. Tem trilha (que vai de R$ 5 a R$15), tirolesa (de R$15 a R$50), arvorismo (R$35), arco e flecha (R$20), paintball (R$30) e até rapel (R$75).

Como chegar

Da capital paulista até o Parque Vale das Pedras são quase três horas de viagem e a melhor forma de chegar é de carro. É importante separar uns trocados para o trajeto, pois o caminho conta com um pedágio na BR-381, que custa R$2,10.

Cabreúva

479167_510861695644760_1530462111_o
Lago do camping Cabreúva, onde é possível andar de pedalinhos. Foto: Facebook oficial

Localizada a 90 km da capital paulista, a cidade de Cabreúva é calma e rodeada de uma grande área de preservação natural, onde é possível aproveitar trilhas e cachoeiras. Na região é praticado tanto o ecoturismo, quanto o turismo voltado à esportes de aventura.

Onde ficar

À 12 km da cidade fica o Camping Cabreúva. Ele conta com postes de iluminação, pia lavatória, estacionamento, além de banheiros com chuveiros aquecidos. A diária custa R$70 por pessoa.

Onde comer

O camping conta com um restaurante e 5 lanchonetes terceirizadas. É importante levar dinheiro, pois nenhuma das opções passa cartão.

O que fazer

Assim como o Parque Vale das Pedras, o Camping Cabreúva também tem diversas atividades. Mas o diferencial é o valor: todas as opções custam R$10. Tem tirolesa, escalada, arco e flecha, rapel e caiaque. Além disso, o espaço conta com parque infantil, piscinas, trenzinho, cachoeira com piscina natural, cinco trilhas no meio da mata atlântica – sendo quatro sem supervisão e uma que exige o acompanhamento de um monitor – e uma concha aquática.

Como chegar

Para quem vai de carro, o camping fica a menos de duas horas da capital paulista. É importante separar uma quantia para o pedágio, que custa R$4,10. De acordo com o site do camping também é possível ir e ônibus. Basta pegar um ônibus da Viação Vale do Tietê, linha São Paulo-Itu – a passagem custa R$25 –, descer na rodoviária de Itu e pegar um ônibus, também da Viação Vale do Tietê, sentido Jundiaí. Nessa parte do trajeto é necessário comprar a passagem até Pinhal – que custa R$8,90. Por fim é só avisar o motorista para descer na Rodovia Dom Gabriel Paulino Bueno Couto e andar cerca de 800 metros até o camping.

Cachoeira do Saltão – Brotas

vista-aerea-cachoeira-saltao-876x357
A cachoeira do Saltão tem uma queda de 75 metros de altura. Foto: Site oficial

A região da cidade de Brotas é muito conhecida por ser o destino certo para quem procura experiências de ecoturismo, já que conta com cachoeiras e trilhas de tirar o fôlego. Como a Cachoeira do Saltão (da foto) que fica a três horas da capital paulista.

Onde ficar

O Camping do Saltão é uma ótima opção para quem deseja conhecer essa cachoeira. O espaço conta com 80 quiosques, 102 churrasqueiras, duas piscinas, estacionamento exclusivo, 250 pontos de energia, mercadinho, além de vestiários femininos e masculinos que contam com 25 chuveiros aquecidos. A diária custa R$60.

Onde comer

Além de ser possível preparar um belo churrasco, o camping conta com um restaurante de ambiente rústico, que oferece pratos regionais. O custo com café da manhã (à vontade) é de de R$22 por pessoa. Quem está pensanso em almoçar por lá pode escolher entre prato executivo ou self-service por quilo. Consulte os valores com antecedência.

O que fazer

São três cachoeiras para visitar: a do Saltão, que dá nome ao camping; do Monjolinho, que tem 12 metros de altura e é de fácil acesso e a da ferradura, que tem 47 metros de altura e exige um pouco mais de esforço. O day use com as três cachoeiras custa R$30.

Como chegar

Da cidade de São Paulo até o Camping do Saltão são aproximadamente três horas de viagem. É possível encontrar pedágio em três rodovias no caminho: a SP-348 (R$5,90 a R$8,90), a SP-310 (R$8,40) e SP-225 (R$7,10).

Tem mais dicas aqui:

inspire-se-viagem-aventura

Obs.: Informe-se com antecedência sobre o funcionamento dos campings que citamos, devido às restrições da quarentena no estado de São Paulo

☛ Gostou dos roteiros? Se precisar, conte a gente para encontrar opções de hospedagem ou reservar diárias de aluguel de carro.

 

* Preços atualizados em julho/2020 e sujeitos a alterações. O tempo de trajeto foi calculado do centro da cidade de São Paulo até os destinos.
**Artigo originalmente publicado em 28/12/2017